De Antes de Agora - III

26/04/10

Entramos no 5º dia de internação.  Davi está com boa aparência, mas ainda está com pneumonia.  A médica informou ontem que o pulmãozinho direito dele ainda tem uma grande parte tomada pela pneumonia e, por conta da CIV, o cuidado com ele redobra.

Ontem recebemos a visita dos tios Marquinhos e Zoraia e hoje a Dê esteve aqui.  Caramba, como é bom e saudável  receber apoio nessas horas, por mais simples que seja o problema!!!  É revogorante.  Tanto no sábado quanto ontem, quando Paulo e minha mãe foram embora, deu um vazio, uma sensação de abandono enorme.  Parecia que eu e meu filho estávamos à deriva no mundo e essa é uma sensação horr´vel!  Fico imaginando o abandono de várias mullheres e crianças mundo afora...


Mas, voltando ao Davi, apesar de eu achar que ele estava um pouco abatido e menos "reclamão", todos o acharam bem, inclusive e principalmente as médicas.  Incrivelmente, ele está mamando 90ml de 3 em 3 horas! Coisa que NUNCA aconteceu lá em casa e que foi motivo de alguns momentos de desespero da minha parte.


Agora à tarde fui dar uma voltinha lá fora, pois estou aqui dentro deste quarto "meio claustrofóbico" há um bom tempo.  Daqui não dá para saber se é dia ou noite (sem as horas, claro), se chove ou faz sol.


Ainda não temos a menor previsão de alta mas, pelo menos, ainda estou de licença e de férias até o fim de maio.


Nota: A Prontobaby, apesar de às vezes ser meio bagunçada, é um lugar de bom atendimento pediátrico, até porque é o lugar onde o Dr. Martinelli & Equipe trabalham e que são pessoas em que eu confio plenamente.  Uma criança internada é também um adulto internado, geralmente a mãe.  E ficar internado, mesmo que no melhor hospital do mundo, não é das coisas mais agradáveis.

Davi já havia sido levado para o quarto há uns 3 dias, de onde só saiu para fazer alguns exames e voltava rápido.  O problema é que a maioria dos quartos da Prontobaby tem uma janela mínima; algumas abrem-se para uma parede externa, então, a sensação de claustrofobia é bem marcante, e esse era um dos motivos de minha agonia naquele lugar.  Se por um lado ficar num quarto é bom para a privacidade, por outro, quando as visitas vão embora, a sensação é bem esquisita.

"De Antes de Agora" foi uma tentativa de fazer um diário dos primeiros dias com Davi. As partes I e II estão aqui e aqui.