Hipospadia, o que é

Causas


A anomalia é provocada por um defeito do desenvolvimento embrionário, cuias causas ainda não são conhecidas com precisão, embora se saiba que não é um problema de índole hereditária. Ao longo das primeiras fases do desenvolvimento embrionário, as estruturas precursoras dos órgãos genitais externos e do sistema de drenagem do aparelho urinário unem-se numa abertura comum, denominada fenda urogenital.

Ao contrário dos elementos do sexo feminino, estas estruturas nos indivíduos do sexo masculino permanecem ligadas, o que faz com que, após o período de desenvolvimento embrionário, a uretra constitua um canal de evacuação comum à urina e ao sémen. De facto, é possível observar o crescimento de uma proeminência sobre a fenda urogenital, no embrião do sexo masculino, que proporciona a formação do pénis, sulcado horizontalmente pela uretra. Em condições normais, a fenda fecha-se paulatinamente até que fique apenas uma pequena abertura na extremidade do pénis - o meato uretral. Todavia, por motivos ainda pouco conhecidos, por vezes, a fenda não se fecha normalmente e o meato urinário situa-se na face inferior do pénis, constituindo a malformação denominada hipospadia.

Tipos

É possível distinguir vários tipos de hipospadia consoante a localização do meato uretral e a possível existência de outras malformações associadas.

Na hipospadia balânica, a forma mais comum, embora o meato uretral se encontre situado perto da sua localização normal, a face inferior da glande apenas se encontra revestida pelo prepúcio na parte superior.

Na hipospadia peniana, o meato uretral localiza-se em algum ponto da face inferior do pénis entre a glande e a raiz. Neste caso, o prepúcio reveste apenas a parte superior da glande. Para além disso, o defeito pode estar associado ao desenvolvimento de uma fita de tecido fibroso no corpo esponjoso, que provoca a curvatura do pénis para baixo, sobretudo quando entra em estado de erecção.

Na hipospadia penoscrotal, o meato uretral encontra-se situado na raiz do escroto. Nestes casos, o pénis costuma ter um tamanho reduzido e apresenta uma curvatura ventral muito acentuada.

Na hipospadia perineal, a forma mais extrema e menos frequente, o meato uretral abre-se directamente no períneo. Por vezes, o pénis tem um tamanho reduzido e a sua curvatura central é muito significativa. Para além disso, em alguns casos, o escroto encontra-se partido e apresenta um aspecto semelhante a lábios grandes vulvares hipertrofiados, enquanto que os testículos são atróficos e não se encontram no escroto, o que dificulta a identificação inicial precisa do sexo do recém-nascido.

Consequências

A hipospadia é uma malformação presente desde o nascimento e as suas consequências dependem, sobretudo, da localização anómala do meato uretral e da existência de outros defeitos associados.


Caso a abertura se encontre próxima da ponta da glande, o defeito apenas provoca problemas relaciona-dos com o controlo da direcção da micção. No entanto, caso o meato uretral se encontre localizado noutro ponto mais afastado ao longo do corpo do pénis, desde a glande até à raiz ou até no períneo, o defeito provoca várias consequências no funcionamento do aparelho urinário e na actividade sexual, já que tanto a urina como o esperma saem para o exterior através do orifício uretral situado em posição anómala.

Nas formas extremas do defeito, o meato uretral encontra-se localizado entre a base do pénis e o ânus, associado a outras malformações anatómicas, que dificultam o reconhecimento do sexo do recém-nascido. Embora a situação, nos restantes casos, não seja tão grave, se o defeito for acompanhado pelo desenvolvimento de uma fita de tecido fibroso no corpo esponjoso que provoque uma curvatura anómala do pénis para baixo, especialmente evidente ao longo da erecção, origina as consequentes dificuldades para efectuar o coito.

Tratamento

O tratamento é cirúrgico. Quando o defeito é ligeiro e se o meato urinário apenas se encontrar ligeiramente deslocado em relação à ponta da glande, a terapêutica deve ser efectuada ao longo dos dois primeiros anos de vida e uma única intervenção é o suficiente para se reconstruir a uretra e colocar o meato na sua posição normal. Por outro lado, quando o defeito se encontra associado à presença de uma fita fibrosa na face inferior do pénis, o tratamento cirúrgico costuma ser efectuado em duas fases. Numa primeira intervenção, realizada ao longo do primeiro ano de vida, deve-se extrair a fita fibrosa para possibilitar o desenvolvimento normal dos corpos erécteis do pénis. Posteriormente, após um período que pode durar entre alguns meses até um ano, deve-se reconstruir o canal uretra! para que chegue até à ponta da glande. De modo a facilitar a cicatrização, o fluxo urinário é provisoriamente desviado através de uma drenagem que desvia a urina para a parede do abdómen e do períneo. Por fim, deve-se fechar este meato artificial, quando o novo canal uretral já se encontrar funcional.




Fonte: http://www.medipedia.pt/home/home.php?module=artigoEnc&id=653 




Davi nasceu com hipospadia proximal (ou peniana, como no texto acima), que é uma das mais complicadas. Já fez  a primeira cirurgia, para a construção do canal uretral, mas depois abriu-se uma fístula, o que é comum na maioria das vezes. Fez dilatações mensais no canal construído por quase 1 ano e depois fez a cirurgia para o fechamento dessa fístula.  Agora está aguardando a  próxima cirurgia, que será estética, para a retirada do excesso de pele e para a correção do curvamento peniano, também chamado de chordee.


O caminho é longo, mas ao final valerá a pena, porque eu sei que Deus está nos guiando sempre.

Quem cuida da hipospadia do Davi são o Dr. Harold Martinelli e o Dr. Clodoaldo, na Prontobaby da Tijuca.