Verdades, Verdades e Verdades

Meia-verdade é sempre uma mentira inteira.

A verdade dói só uma vez. A mentira dói toda a ver que você lembra.

A verdade pode machucar por um tempo, mas a mentira dói para sempre.

Uma garrafa de vinho meio vazia também está meio cheia,
mas uma meia-mentira não será nunca uma meia verdade.

Uma mentira mil vezes repetida se torna uma verdade autenticada.

Uma verdade enfraquece quando tenta esconder uma única mentira, e uma mentira fica mais poderosa quanto mais verdades tenta esconder.

Há muito tempo, numa palestra na empresa sobre relacionamentos, a profissional colocou um tópico sobre o uso da verdade.  Pode-se usar a verdade para construir ou destruir pessoas, ou seja, a verdade pode ser usada com ou sem amor.  Já reparei, por exemplo, que muita gente que é grossa faz questão de dizer que é sincera, pois usa a verdade não para reforçar ou construir laços, mas para dilacerar vidas. A verdade é que a verdade dói, mas deve ser bem colocada, bem usada, porém, dói mais ainda a mentira, porque nela está também atrelado o sentimento de traição, e aí, parece que o golpe é duplo.  

Ninguém está imune a falar uma mentira, por menor que seja.  Cazuza já cantava que mentiras sinceras me interessam, e uma das célebras frases de Tim Maia era: não fumo, não bebo, não cheiro.  Às vezes minto um pouco.  Nem sempre é conveniente usar da verdade verdadeira, afinal, o que fazem os maridos que são vítimas da fatídica pergunta "estou gorda?" feita por suas esposas neuróticas?  Tentam aliviar a situação respondendo alguma outra coisa que às vezes não tem nada a ver com a pergunta.  Mas quantas vezes queremos dizer "umas verdades" para o chefe ou para aquele abominável colega de trabalho, porém, acabamos engolindo a seco para salvar o dia e o emprego e até elogiamos a pessoa?  Em outras ocasiões,  porém, não podemos jamais perder a oportunidade de jogarmos na cara daquela prima ou tia as verdades que elas têm que escutar, além daquela vizinha, que precisa também ouvir algumas verdades sobre seus filhos sem educação!

Já imaginou se toda a verdade viesse à tona, da maneira mais crua possível?  Quando algum figurão deixa o microfone aberto e solta uma frase que mostra claramente o que ele pensa, mais do que o que ele falou?  A depender do figurão, dá até crise política internacional!  O que acontece é que, para sobrevivermos, usamos uma capa para nos esconder ou nos proteger, porque a verdade, que já é dolorida, se não for usada corretamente, tem o efeito de uma bomba atômica.  Mas a verdade, apesar de dura, é leve.

A mentira, por sua vez, requer da pessoa uma capacidade intelectual acima da normal, já que ela tem que ter uma memória privilegiada para sustentar suas argumentações e inventar mais mentiras ainda, afinal, cada mentira puxa outra mentira, que puxa outra mentira.  Lembrar-se de todas elas, em detalhes, de forma a não se afogar nesse balaio de mentiras é para poucos.  Há quem consiga sustentar uma mentira até o fim, porque aí o que pode estar em jogo é um ego inflamado ou a falta de humildade de reconhecer que mentiu e errou.  Há quem consiga repetir uma mentira tantas e tantas vezes que ela acaba se tornando uma verdade para o próprio mentiroso. 

Saber ou não mentir não significa não mentir.  Eu não sei mentir, mas não deixo de mentir de vez em quando. Por mais que pareçam semelhantes, são coisas bem diferentes.  Todos mentem, até aqueles que se dizem tão sinceros que só usam a verdade, aquelas pessoas grossas de que falei acima.  Elas também mentem porque, como falei, não usam a verdade pela verdade, mas para a destruição.  Eu digo que não sei mentir porque eu não tenho memória suficiente para sustentar uma mentira por muito tempo e acabo me contradizendo, e às vezes sou desmascarada não pelos meus gaguejos e falsos argumentos, mas pela minha própria cara, que me desmente descaradamente.
A verdade é que encarar a verdade requer também muita coragem.  E coragem às vezes é essencial para a sobrevivência, pois o medo de se encarar a verdade não deve ser maior do que a vergonha de se descobrir a mentira.  Quantas vezes é melhor sentar em cima daquilo que se sabe não ser a verdade, ao invés de encará-la?  Sim, porque o puff da mentira é muito macio e aconchegante e quentinho e em algumas situações, só o tempo tem o poder e a força para mostrar a verdade, porque por mais que alguém se esforce para mostrá-la, às vezes o outro não quer saber dela.  Existem outras situações em que realmente é melhor  nem saber a verdade, porém, ela é a base primária para todo o tipo de relacionamento, do mais superficial ao mais profundo e sem ela, nada funciona.

Tenho passado por momentos em que tenho que encarar algumas verdades para me manter viva e mentalmente sã.  As bordoadas são pesadas, mas diferente da mentira, a verdade não é mortal, é para vida, para a saúde e também para a liberdade, porque a mentira escraviza.  Eu sei que vai doer mais ainda, mas é como arrancar um dente: depois que a anestesia passa, a gengiva ainda fica dolorida, além do buracão, mas aos poucos a natureza trata de fechar esse buraco e a dor não existe mais.  E aí nos sentimos livres, leves e soltos, e o versículo bíblico que traduz essa verdade com clareza absoluta é:


E conhecereis a Verdade, e a Verdade vos libertará.
João 8:32

Mas para isso, há de se ter muita coragem, força e vontade.