Craftices: Democracia e Reciclagem

As eleições municipais já se passaram.  Mas o lixo da propaganda eleitoral insiste em continuar sujando o visual de muitos lugares.  Assim é no Campinho, assim é em vários outros bairros e cidades.  Porque o sujeito que busca ser (re)eleito, além de emporcalhar a cidade com galhardetes, posteres, "santinhos" e ocupar os principais horários de rádio e tv gratuitamente, deixa uma quantidade enorme de material de campanha espalhado por todos os lados, não importa se eleito ou não.

E como eu já falei por aqui e repito, depois que você é mordida pelo mosquitinho das craftices, o seu olhar muda em relação a tudo o que vê.  E passando aqui e ali, comecei a paquerar uns galhardetes do tamanho ideal que eu queria para colocar na parede onde, de início, eu coloquei os quadros de tecidos, esses aqui.


Um dia, antes mesmo do dia da eleição, marido vai pegar Davi na creche e também já influenciado pelo mosquito da craftice - e de tanto eu falar e falar e falar no ouvido dele - viu que 2 dos galhardetes que eu queria estavam a caminho do lixo.  Não fez por menos:  pegou os dois e tascou dentro do automóvel.


Quando cheguei em casa e vi o que ele tinha feito, fiquei mega feliz e na primeira oportunidade corri para meu ateliê (oi?) e parti para dentro dos futuros quadros.


Os galhardetes.  Em tempo: eu NÃO VOTEI nesse candidato! Sorry, Irani.






Passei uma lixa para tirar as farpas e alisar um pouco e depois uma demão (ou foram duas?) de tinta PVA.




Eu sei que eu deveria ter colocado o galhardete na parede para tirar as fotos, porque ficou parecido com a grade, mas dá para ver um pouquinho...

Após a secagem, fui para meu cantinho craft (um dia ainda vou encher minha boca e falar isso) para cobrir o galhardete com um pedaço de lona, que não era nem muito grossa nem muito fina, mas que desse sustança na armação, que é um pouco fraca.


Passei o ferro na lona para tirar as marcas, cortei e fixei com grampeador de tapeceiro (ui, agora eu tenho um para chamar de meu!)





Depois de coberto, ficou assim.  Uma tela desse tamanho na Casa Cruz custa em torno de uns 30, 40 reais.  Aqui saiu quase di grátis!




Eu já estava com esses quadros na minha cabeça desde o dia em que encontrei na internet as flores feitas com rolo de papel higiênico, há bastante tempo.  Como eu fui pesquisando e vi que algumas pessoas acabaram tendo a mesmíssima ideia, então dessa vez não vou dar crédito a ninguém, é só buscar na net "flores com rolo de papel higiênico" que você encontra até mais bonitas e são fáceis de fazer.

Como eu já estava juntando rolos de papel higiênico e já havia algumas flores prontas, eu apenas pintei com tinta spray.  Infelizmente, esqueci de fotografar as florzinhas já pintadas.


Depois de pintadas, colei com cola quente e coloquei também umas pedrinhas de bijou.  E aí os quadros ficaram assim:











Resultado final: apesar de ter gostado, eu me daria uma nota 8,7 mas, pelo menos, reaproveitei um material que, por incrível que pareça, ainda anda espalhado pela cidade afora, além dos rolos de papel higiênico, que dessa vez não foram para a creche do Davi.

E se você gostou da ideia, que não é nada original, aproveite e dê uma olhada ao seu redor, na sua rua, no seu bairro.  É bem provável que ainda existam alguns galhardetes emporcalhando o visual.  Além de reciclar, você estará reutilizando o dinheiro que é nosso, mas que eles - os candidatos - é que gastaram.

E viva a democracia!!!





Mais algumas considerações sobre craftices, artesanatos, trabalhos manuais e que tais


Como eu já havia comentado neste post, minha intenção em fazer trabalhos manuais é usar esse meio como minha válvula de escape, assim como é esse blog.  Não intento ensinar nada a ninguém, até porque eu não sei absolutamente nada.  Algumas coisas vêm da minha cabeça, afinal, eu não sou tão orelhuda assim, mas outras eu vejo, copio e dou crédito ou faço alguma adaptação.  Fiquei muito tempo sem interesse por trabalhos manuais e depois de passar um período bem corrido e tumultuado com Davi, percebi que havia deixado a casa meio de lado, pois engravidei 2 meses depois de me mudar! E agora estou amando fazer e mudar as coisas ao meu redor.

E outro dia, estava eu meio que traçando um perfil das blogueiras crafteiras e percebi que a maioria é dona de casa e algumas com filhos já grandes.  Ou seja, pessoas que têm tempo para se dedicar às suas artes, que podem fazer cursos de pintura, de costura, de culinária.  Acho que não me encaixo muito nesse perfil, apenas tomo o artesanato para "me tratar", digamos assim.

Já tive a oportunidade de conhecer algumas meninas bem legais, cuja generosidade em dividir para multiplicar é impressionante. São pessoas inteligentíssimas, geniais e, ao mesmo tempo, simples, sem afetações.  Infelizmente já vi também que algumas pessoas tomam para si algumas ideias que já existem de outras pessoas.  Não consigo entender qual a finalidade, a não ser aparecer.  Foi o caso das flores de papel higiênico.  Eu ficaria muito aborrecida se encontrasse uma ideia que tivesse sido só minha, mas que estivesse creditada em alguém.  É feio, é desnecessário, além do já batido imoral e antiético, até porque, com internet e redes sociais, a gente investiga e chega à fonte da verdade.

E tem também as inevitáveis panelinhas.  Mas aí, já é outra história porque, como eu citei, elas são inevitáveis...

E num momento invejinha, eu digo: ainda vou ter meu cantinho craft e bastante tempo para fazer mais artesanato.  E espero que seja eterno e que dure. Por ora, vou fazendo como posso, porque o que me sobra é falta de tempo!