Há de se ter muita Paciência


Se existe um pré-requisito para quem tem filho com hipospadia é ter paciência.  Diferentemente da fimose, a hipospadia é uma anomalia que requer algumas - às vezes várias - intervenções cirúrgicas.  Se for proximal, que é o caso do Davi, existe a possibilidade de haver 3, 4, 5 cirurgias, porque hipospadia proximal significa que a saída do xixi está mais próxima do saco escrotal e mais longe da glande, o que significa que o canal da uretra é curto e o caminho até a normalização é longo.  Não é incomum, numa cirurgia de hipospadia, abrirem-se fístulas, que são rompimentos, buraquinhos que acabam atrasando o início da funcionalidade da criança.  E a gente - os pais principalmente - tem que adaptar nossa ansiedade ao relógio da natureza, porque as coisas não são tão rápidas e simples como parecem ser.

Depois da primeira cirurgia, que acabou abrindo uma fístula, Davi teve que esperar 8 meses para que a  natureza fizesse a parte dela e a fístula entrasse em processo de fibrose.  Como já relatado aqui, todo o mês Davi tinha que ser levado ao centro cirúrgico e anestesiado, para que fosse feita a dilatação do canal já construído, a fim de que ele não fechasse e tivéssemos que voltar à estaca zero.

Na quarta-feira, já dentro do centro cirúrgico, o Dr. Clodoaldo - o médico que iria aplicar sua própria técnica para fechamento da fístula -, achou por bem não realizar a cirurgia, pois como o canal estava muito estreito e seria bem provável que a fístula se abrisse novamente por causa da pressão da urina, o que tornaria a situação pior ainda.  Fizeram, então, mais uma dilatação e tivemos que voltar ontem, para ver a possibilidade de Davi ser operado.  E mais uma vez não foi possível, pelas mesmas razões, e a cirurgia foi transferida para a próxima quarta-feira.  Enquanto isso, foi colocada no Davi uma sonda que passa entre a fístula e o buraco da glande.  É como se fosse um enorme piercing, só que de silicone.

A paciência tem que ser exercida em todas as horas, mas é exatamente nesses momentos que a gente tem que respirar fundo, muito fundo, porque todas as nossas expectativas nem sempre são atendidas.  Porque Davi, sendo ainda muito pequeno, não faz a menor ideia da sua realidade, então, não cria expectativas se vai ser operado hoje, amanhã ou daqui a alguns meses.  O desgaste também é em ver sua criança chorando de fome porque está há mais de 10 horas sem comer, porque tem que estar em jejum.  No caso de quarta-feira, surgiu uma cirurgia muito grande e gravíssima que tomou uma grande parte do tempo do centro cirúrgico, atrasando todas as outras que estavam programadas.  Davi havia mamado em torno de 5h15 da manhã e  sua cirurgia estava marcada para às 14h, mas só entrou no centro cirúrgico às 18h30 aproximadamente.  Para aliviar um pouco, dei uns goles de mate e ele acabou dormindo bastante, talvez por conta da fome mesmo.  Nessas horas que eu vejo o quanto aquele moleque é forte!

Mas a gente tem que esperar, tem que controlar a ansiedade e tem que saber lidar com as frustrações e tentar tirar alguma coisa boa disso tudo.  Eu não tenho do que reclamar.  Olho ao meu redor e vejo o quanto Deus é bom e maravilhoso por ter colocado no nosso caminho médicos e profissionais de primeira linha, por morarmos numa cidade que, apesar de caótica, ainda é o centro de referência para muita coisa e nos oferece facilidades como hospitais e variedade de transportes.  São nessas pequenas coisas que eu sempre penso porque, imagina quem mora num lugar de difícil acesso, com escassez de médicos ou que tem que andar léguas e léguas até a primeira condução?

Não que a minha dor às vezes não seja grande, porque eu não gostaria que meu filho tivesse que passar por tudo isso. Nos dias e até nas horas que antecedem qualquer cirurgia ou procedimento eu fico muito nervosa, choro e tal.  Mas o fato de ser onde e com quem Davi é tratado só me faz levantar as mãos para os céus e agradecer a Deus, porque essas coisas me trazem tranquilidade e segurança, além do fato de eu ter um chefe que é simplesmente maravilhoso.  Até hoje não paguei 1 centavo pelas cirurgias, procedimentos ou anestesias e eu sei que esses serviços não são baratos.  Olha, não são m-e-s-m-o, eu garanto!  Se tivesse que pagar do próprio bolso eu não teria.  Se tivesse que depender de hospital público, então, acho que seria bem mais doloroso e demorado.  Aliás, o que mais dói é realmente a espera, o tamanho do caminho, as idas e vindas.  Mas a gente aprende a se adaptar a tudo e daqui a alguns anos essas coisas serão apenas histórias, experiências que espero poder dividir com outras pessoas.

Pois é, então que Davi ganhou outra bola, dessa vez azul, viu lá em cima? Ainda bem que a Prontobaby começou com essa farta distribuição de bolas só agora, porque senão eu já teria montado uma barraquinha.  Mas vou continuar esperando a viagem para Disney!


Fibrosar/fibrose: é a formação ou desenvolvimento em excesso de em um órgão ou tecido como processo reparativo ou reativo, com a formação de tecido fibroso como um constituinte normal de um órgão ou tecido.