Poppy Burge

Pois é, eu gostaria de começar o ano com uma notícia bem legal, alguma descoberta científica fantástica do tipo, "crianças passam a maior parte do tempo brincando ao ar livre". Mas eis que me deparo com isso!


Inglesa dá lipoaspiração de presente de Natal para a filha de sete anos



A pequena Poppy Burge, de sete anos de idade, ganhou no Natal um voucher no valor de R$ 17 mil para uma lipoaspiração. Isso porque ela já tinha um no valor de R$ 14,5 mil para colocar silicone nos seios. Tudo presente da mãe, Sarah Burge, conhecida como a Barbie Humana. A inglesa de 51 anos, da cidade de St Neots, é viciada em cirurgias plásticas e já gastou mais de um milhão de reais em procedimentos cirurgicos para dar uma mãozinha à natureza.

“Ela pedia a cirurgia a toda hora. Ela quer ficar bonita e a lipo é um dos procedimentos que sempre vêm a calhar”, justifica Sarah. “Eu vejo esses vouchers como um investimento para o futuro - como guardar dinheiro para a educação dela”, completa a Barbie Humana. Sarah, que tem outras duas filhas, pretende transformar a filha em uma top model. Em 2010, ela revelou que ensinava pole dance para a menina, na época com seis anos.


Além da cirurgia nos seios, Poppy também ganhou uma festa com todos os serviços de beleza disponíveis para ela sete amigas, no último aniversário. Havia manicures, pedicures e maquiadoras. As meninas ganharam tatuagens falsas, champanhe de mentirinha e comeram um bolo que custou 250 libras. Tudo aconteceu na traseira de uma caminhão com decoração rosa.

No aniversário de sete anos, Poppy ganhou também um computador, um cristal anel e um colar de cristal Swarovski rosa e a promessa de uma temporada no spa. “Eu queria a cirurgia, um fim de semana no spa e um computador. Quando ganhei tudo isso, foi como um sonho se realizando. Todas as minhas amigas ficaram com inveja”, contou a menina, na ocasião. “Eu mal posso esperar para ser como a mamãe, com grandes seios. Eles são lindos”.







É chocante saber que ainda hoje mulheres e meninas africanas e afegãs são estupradas, mutiladas, escravizadas, vendidas ou trocadas, pois vivem numa sociedade em que seus direitos mais básicos são suprimidos pela religião ou pela tradição. É revoltante saber que, nesse momento, meninas de 7, 8, 10 anos são dadas em casamento pelos seus pais a homens de mais de 30 anos e que, a partir daí, continuarão a servir como escravas aos seus maridos. É triste ver, aqui mesmo no Brasil, pais colocando suas filhas pré-adolescentes na beira das estradas ou em bares a fim de que se prostituam e tragam alimentos para a família. Na maioria desses casos, essas meninas e mulheres morrerão muito cedo, sem qualquer perspectiva de viverem com um mínimo de dignidade humana, pois não tiveram escolha.

Poppy Burge e sua mãe nasceram e vivem num país livre, moderno, democrático, historicamente cultural. Tiveram a liberdade de escolher e optaram pela futilidade, tornando-se escravas de si mesmas. E isso também é chocante.