Reflexões sobre uma mensagem perdida



"Outro dia, ao faxinar a caixa de mensagens, encontrei um e-mail da época em que trabalhava no Recreio, há mais de 10 anos.  Um lugar em que, teoricamente, deveria ser de luz, mas era de trevas, das mais pesadas.  A mensagem, também denominada de “famoso e-mail”, me fez retornar àquele momento tão medonho da minha vida, em que testemunhava e sofria com alguns abusos e absurdos impensáveis para onde aconteciam.  A mensagem não é minha, mas sou citada no seu contexto, porém, ela foi o estopim de acontecimentos que, ao final, se transformaram em libertação, para mim e para seu autor.


Me lembrei de antigos amigos, pessoas que comigo passaram por aquelas situações, em que o mais difícil era ficar calado assistindo a tantos malfeitos, pois qualquer tentativa de denunciá-los seria interpretada como rebeldia, no mínimo, além do que seríamos tratados como mentirosos.  Mas é aquele negócio meio clichê: a verdade, por mais que tarde, se revela, pois é infinitamente mais forte que a mentira.  E quando, enfim, tudo veio à luz, eu já respirava o ar da liberdade.

A mensagem é o instantâneo de um momento em que eu perdi a minha inocência, mas também serve para me mostrar o quanto Deus tem sido misericordioso comigo desde então e sempre, o quanto de livramento eu tive em Suas Mãos, o quanto Ele vem me abençoando maravilhosamente, com bênçãos celestiais (porque o bem material eu alcanço com trabalho), dentre elas, a chegada do Davi na minha vida.

Quero guardar essa mensagem por quanto tempo puder, não para relembrar os momentos de trevas, mas para ver como Deus teve (e ainda tem) misericórdia de mim.  É como uma cicatriz, que apesar de não doer, serve como memória de um livramento maior.

Deus cura.  Deus salva.  Deus liberta. Nem sempre no tempo ou do modo  que a gente quer ou acha que precisa.  Mas Ele age, no momento Dele.  Ele me conhece o coração e sabe até onde vai o meu limite e eu, por tão limitada que sou, só sei o quanto suporto depois que saio da tormenta.  A sombra da Cruz me resguarda.

Não preciso de “oração forte”, nem de correntes ou palavras proféticas ou de declarações de vitória, a Graça de Deus já me basta, é dela que eu vivo, sem eu merecer absolutamente nada. O amor Dele me constrange e me faz ver o tamanho da minha insignificância.  Ainda assim, Ele me chama pelo meu nome.

Isso não é mais uma mensagem de autoajuda gospel, é apenas uma mera reflexão. Espero que sirva para alguma coisa."

Esta mensagem foi adaptada e postada primeiramente em minha página no Facebook.