Oi???


Esse é curtinho....

Nesse meu périplo com o menino Davi, tenho tido algumas fortes emoções.  Às vezes fortes até demais e não tivesse eu um coração possante, bem provável que seria mais um ilustre membro do clube dos cardíacos.

Antes de conhecer a atual pediatra ( até porque ela não atendia com o plano que eu tinha à época), fomos a um profissional para uma primeira consulta. Foi quando descobri que Davi tinha língua presa e também quando foram esclarecidas algumas dúvidas a respeito da hipospadia.  A consulta foi mais no desespero pois, como Davi nasceu no final de dezembro e a primeira consulta deveria ser 15 dias depois, não havia muitas opções de pediatra, e nem consegui falar com aquele que havia acompanhado o parto.  Enfim, encontrei um que atenderia na primeira semana de janeiro.

Consultório cheio, claro, não somente pelas crianças que já eram pacientes como por umas outras duas mães e seus recém-nascidos.  Na sua vez, Davi foi medido, pesado - eu esqueci de levar a Caderneta de Vacinas (não sabia que era para levar nas consultas pediátricas, veja só!) e recomendada uma vitamina básica.  Voltamos ainda outra vez, 15 dias depois e remarcamos a próxima consulta para o mês seguinte.

Nessa ocasião - Davi já tinha uns 2 meses ou quase -, ao final da consulta, eis que vira a pessoa, faz uma cara de jiló e diz:

- Vou encaminhar para um exame oftalmológico.

- Por que?

- Para ver como está a atenção, o olhar dele.  Ele parece estar com um olhar meio perdido...

- Mas, perdido como, Dr.(a)?

- Perdido, não fixa em lugar algum.

- Não será por que ele ainda está um pouco novinho? Ele também acabou de acordar. (O Davi estava dormindo e tinha sido acordado, então, além de estar gritando a plenos pulmões, estava com aquele olhar de quem tinha acabado de acordar e não sabia onde estava).

- Não sei, vamos ver.  Mas parece que o olhar dele está meio perdido...

- Sim, mas o que pode significar esse “meio perdido”?

- Pode ser que seja autismo!

- ...

- ...

- ...

- ...

- ...

- ...

- ...

- ...

- ...

- ...

- ...

- ...

- ...

- ...

- ...

- ...

- ...

- ...

- ...

- ...

- ...

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.




- Oi???


(Me diz se não dá para ficar meio neurótica?)