Eu Só Quero é Ser Feliz... Parte 2

Meu "up-grade" residencial se deu ao contrário do de muita gente: para morar melhor, tive que sair da zona sul e ir para a zona oeste.  Claro que se houvesse a oportunidade de ficar naquela área nobre, mas morando como moro hoje, eu ficaria, mas se é para ser feliz, então às vezes a gente tem que adaptar nossos planos à realidade.  Pelo menos eu penso assim, porque eu não sou do tipo que coloca a mão onde não alcança.  Se dá, ótimo.  Se não dá, paciência. Morar mal e até comer mal só para manter a pose não é comigo.

Não tenho do que reclamar, porque o bairro do Campinho é bem tranquilo e farto em comércio e transporte. É meio cansativo e chato de se chegar mas, no geral, é um lugar muito bom mesmo.  Porém, o que faltava nessa área e arredores era um espaço onde pudéssemos levar a família, as crianças.  Um lugar onde elas pudessem correr, brincar e se divertir.  Existem pracinhas? Sim, mas sabe como é, os brinquedos são quase todos quebrados e muitas ficam próximas a ruas de grande movimentação de carros, um perigo sempre constante.

Até que o prefeito "mauricinho-da-zona-sul" resolveu voltar seus olhos para as bandas de cá.  E aí surgiu o Parque Madureira



O Parque fica numa área enorme, que era ocupada por uma horta enorme, sem serventia enorme,  em baixo de torres de transmissão elétrica enormes.  É paralelo à linha do trem e ainda tem muito o que se fazer porque, apesar de já ter sido inaugurado, sabe como são as coisas, as obras ainda não estão concluídas e ainda faltam muitos acabamentos.  Mesmo assim, não poderiam ter construído espaço melhor para quem mora nessa área da cidade.

A área do Parque Madureira, durante a construção

Não vou descrever o parque mas no geral é rodeado de palmeiras, que ainda estão em fase de adaptação e por isso o sol bate com força e poder, o que significa que no verão, meu odiado verão, não receberá minha ilustre visita.  Entre tantos atrativos - uma pista enorme de skate, quadras de esporte, um espaço chamado Nave do Conhecimento, o ponto alto é a Praça do Samba, que promete mexer com as estruturas da região nos próximos carnavais, pois as escolas de samba Império Serrano e Portela ficam em Madureira e atraem um grande número de pessoas todos os fins de semana.



Se para os adultos a Praça do Samba poderá ser o maior atrativo do Parque, para as crianças esse lugar se chama Mirante.  O Mirante é uma plataforma ladeada por uma pequena escadaria.  A ideia, acho, era subir no Mirante para apreciar a vista do parque.  Só que esse Mirante tem um pequenino detalhe, que atrai as crianças assim como o mosquitinho é atraído pela lâmpada: aquilo jorra água! E com isso, surge o seguinte cálculo: criança + calor + mirante-que-jorra-água = criança se jogando na água, com roupa, de short, de sunga, de cuecas! E mães, que acabam ficando completamente molhadas, porque têm que acompanhar suas crianças ainda miúdas.


E foi exatamente isso que aconteceu na primeira vez que levei Davi.  E comigo.

Óbvio que eu não sabia que existia esse Mirante, muito menos iria imaginar que Davi, o enjoado, fosse se jogar de corpo inteiro naquela água, e olha que nem estava tão calor assim!  Não deu outra.  Foi o tempo suficiente para tirar as fraldas e deixá-lo só de cuecas. 




No domingo seguinte, repetimos o programa, só que dessa vez, além da tralha habitual que levo quando saio com ele, levei também uma toalha e a sunga de praia, porque sabia que seria inevitável que ele fosse para o Mirante-que-jorra-água e que atrai os mosquitinhos. E alguns mosquitões também.  Notei também eu não fui a única adulta a estar totalmente molhada, e aí eu não sei se os outros adultos que estavam molhados foram os que somente  acompanharam seus filhos pequenos ou também aproveitaram para cair na água.

O Fandangos NÃO patrocina esse passeio!
Acho que como o calor estava aumentando e o sol estaba bem forte, Davi ficou menos tempo do que eu esperava.  E aí, ao voltarmos para casa, fomos caminhando e eu fui mostrando a ele os canteiros e outras coisas que existem por lá.



Não pise na grama? Bah...


Quem me persegue?

Seria um day-after da Praça do Samba?



Quem mora nessa região nunca poderia imaginar que o prefeito "mauricinho-da-zona-sul" pudesse se lembrar dessa área e fazer uma obra tão legal que, espero, seja mantida não só para as Olimpíadas e Copa do Mundo, mas para toda a comundiade.

Me lembro que, ao passar por uma menina de uns 4 anos, toda molhada, ouvi a seguinte frase: "esse foi o dia mais legal da minha vida".  Espero também que as pessoas tenham consciência de que só preservando o local e respeitando as regras é que todos poderão usufruir esse espaço, porque não adianta o parque se encher de latas de lixo e guardas municipais se cada um não fizer a sua parte.

Espero também que o Mirante-que-jorra-água não se transforme, com todo o respeito, no mais novo Piscinão de Ramos, e que as pessoas não resolvam levar caixas de isopor e cadeiras de praia, porque o objetivo não é esse, porque infelizmente tem sempre alguns que gostam de bagunçar o lugar onde moram e depois reclamam da fama de suburbanos farofeiros.

Não acredito que os moradores da zona sul irão visitar o Parque Madureira, talvez por uma questão de bairrismo, ou porque já têm atrativos suficientes e, né, fazer o que lá no subúrbio fora da época do carnaval?

Eu frequento todos os lugares, até porque já morei na maioria deles mas, ó, com todo o respeito novamente, Praia de Ramos? Manempensar!  O que eu quero é ser feliz, mas tudo tem limites e eu também tenho minhas frescuras!