Crtl C + Crtl V = Repeat

Eis que chega a hora de se tomar muito, mas muuuuuito cuidado. Por enquanto, o cuidado é com o que se faz, com os gestos e sons, porque todas essas coisas serão repetidas.  Sim, eis que temos, agora, um ser que copia, cola e repete, na maior cara de pau.

E quem ousará dizer que crianças não observam tudo, absolutamente tudo? Quem acredita que um gesto, um som, até mesmo um programa de TV não é copiado e reproduzido pelos pequenos?  Só nos damos conta desse momento quando a criança faz, do jeito dela, claro, alguma coisa "feia" que nós fazemos.  Aí, sim, vem aquele susto, meio injustificado, afinal, elas são umas verdadeiras esponjas, sugando o que é bom e ruim. O que não faltam são exemplos.

Houve um tempo - na minha geração e antes - em que os pais tinham liberdade para fazer o que quisessem. Quem fumava, bebia ou falava palavrão, não tinha a menor preocupação se sua criança estava observando, pois imperava o princípio do "faça o que eu mando, mas não faça o que eu faço".  Era simples, rápido e direto.  Não posso dizer que toda a criança que observou seus pais dando esses exemplos  se tornou um adulto fumante ou um alcóolatra ou um boca suja. Pelo contrário, muitas, até mesmo por conta disso, decidiram passar longe desse modelo.  Já outras, quando alcançaram uma certa liberdade, ou por conta da idade ou por uma independência financeira, não se furtaram em fazer e-x-a-t-a-m-e-n-t-e aquilo que seus pais faziam e que lhes era proibido fazer, como se fosse uma espécie de vingancinha, talvez para mostrar a todos que ela já era dona do próprio nariz. Há também aquelas pessoas que até fazem o que seus pais faziam, só que, na frente deles, jamais! Não sei se é falta de coragem ou excesso de vergonha.  Sei lá. 

O fato é que, a partir de determinado momento - que eu não sei precisar - nós, pais, somos o alvo da atenção da nossa criança.  Estamos sendo "vigiados" o tempo todo, observados por aqueles olhinhos brilhantes e cheios de curiosidade. Creio que muita gente tem alguma história desse tipo para contar, sua ou de sua criança.  Algumas bem engraçadas, outras, apavorantes.  Minha mãe conta que um dia,  ao me observar, ela percebeu que havia algo estranho no meu rosto. Ela olhou, olhou e procurou, até que viu que a minha sobrancelha estava cortada pela metade.  Ou seja, em algum momento, eu a vi tirando a sobrancelha - COM LÂMINA - e simplesmente copiei e repeti! É por essas e por outras que eu acredito que Deus protege as crianças, porque eu bem poderia ter me rasgado toda.  Até hoje, minha sobrancelha é falhada, mas poderia ser pior. 

Há casos bem engraçados e outros bem fofos, como quando a nossa criança começa a dar tchau ou a mandar beijinhos por exemplo. Mas, e quando ela começa a arrotar? E quando ela come de boca aberta? E quando ela joga algum lixo pela janela do carro ou mesmo na rua? Sinceramente, eu não acho a menor graça, por mais engraçado que, estranhamente, possa parecer. Claro que a gente também não vai ficar se vigiando nos mínimos detalhes, porque aí já vira neurose, né. Por outro lado, dizer para criança não fazer aquilo que  "feiamente" fazemos deve dar um nó gigantesco na cabecinha dela. Porque nós somos vitrine, e é em nós que elas têm a referência para o seu crescimento e descobertas.

Portanto, se você acha que está sendo filmado só dentro do banco ou no shopping, não se esqueça que ao seu lado podem estar uns olhinhos espertos e bem abertos,  prontos para copiar, colar e repetir o que você faz e fala.

E ainda dizem que é a vida da bailarina que é difícil....