Craftices: Abajour de Garrafa de Licor

Se existe uma coisa que eu acho super estranha é luz branca nos ambientes que não sejam a cozinha e a área de serviço.  Até mesmo no banheiro eu acho estranho.  Parece que a casa está sem alma, sem calor.  Talvez por isso que eu goste tanto de luz indireta e... amarela, claro, porque a casa fica mais parecida com um ninho, um lugar onde eu me sinto abraçada e aquecida.  Uma iluminação indireta, seja com lâmpadas dicróicas ou com luminárias, deixa a casa com cara de LAR.

E aí que veio mais um abajour.  Porque um dia me deu uma coceira doida para fazer um abajour com garrafa de vidro depois que vi alguns pela internet afora.  E  eis que um dia  marido me aparece em casa com essas mocinhas aí, largadas num lixo qualquer da rua.  São garrafas de licor (eu encontrei suas primas depois, no mercado), mas estavam com um restinho de um óleo  muito cheiroso.



Primeiro passo: como furar o vidro sem quebrá-lo?  Com uma broca específica para isso.  Essa aí, que eu encontrei fácil na Leroy.  Tem também a broca diamantada, que pode ser encontrada na Internet .



Juntando o devido material: broca, óculos de proteção, fita crepe e furadeira.  A fita crepe serve para dar o ponto da primeira furada, a fim de que a broca não fique deslizando no vidro. Depois que aparece o primeiro buraquinho, pode-se tirar a fita.



O esquema que eu fiz, então, foi o seguinte: coloquei um pano na tábua do tanque para dar suporte à garrafa, abri um fio de água da torneira e na medida em que eu ia furando, eu colocava a garrafa embaixo do fio de água.  Três apertadas na furadeira e água na garrafa.  Isso serve para o vidro não rachar, pois essa broca aquece o vidro e, além disso, serve também para não formar uma poeirinha de vidro, o que é bem perigoso, não.


Fazer o furo nas garrafas - eu furei logo 3 - não durou nem 10 minutos, bem menos do que eu havia lido e previsto.  Depois dessa etapa, vem a instalação do material elétrico, que ficou a cargo do marido, claro.  Eu comprei um fio que é transparente para combinar com o vidro. 

Para o soquete não ficar muito solto, aproveitamos uma rolha e passamos o fio por dentro dela, que ficou só uma beiradinha de fora, para servir de base para o soquete. Usei cola universal, mas como não estava levando muita fé nela resolvi tascar a cola quente, mas foi uma questão de sentar e esperar mesmo, porque apesar da demora em secar, a cola universal pega de verdade.




Como o resultado da cola universal + cola quente acabou deixando a boca da garrafa meio melecada, aproveitei essas pedrinhas que havia comprado para colocar dentro da garrafa e as colei ao redor para fazer um acabamento e cobrir o pequeno estrago.


Tudo instalado e testado, vamos partir para a cúpula que, claro, não ficaria  imune a uma craftice.    Vou falar uma coisa: passar pano em cúpula de luminária não foi fácil, não, pelo menos para mim,  principalmente para cortar as beiradas.  Usei um tecido florido - eu acho que sou chegada numas flores...



E aí ficou assim...



Junto com as minhas Pretinhas...







Um detalhe que eu acabei aprendendo com a Celia Martins: sempre colar um pedaço de feltro embaixo dos objetos - principalmente vidros e louças - e móveis, a fim de protegê-los de quebra e do atrito com as superfícies.  Pode parecer óbvio, mas faz toda a diferença.  Então, com o feltro que sobrou da guirlanda de Natal, eu já colei também nas outras duas garrafas.

Eu gostei do resultado, me daria nota 9,1 mais por causa da cúpula do que da garrafa, que não ficou lá essa coisa toda, mas, no geral, eu gostei e ficou bem mimoso.   Como eu tomei gosto e ainda tem mais 2 garrafas furadas, então a sessão "abajour" em breve receberá mais um membro.

Tinha alguém observando tudo isso...