A Polêmica da Moda


Gostaria novamente de compartilhar com vocês a matéria de 12/08/11 da revista Istoé, que é o título deste post, a respeito da modelo "mirim" Thylane Blondeau que, aos 10 anos, já fotografou de topless. Mais uma vez, me identifiquei como assunto por conta do que postei aqui, sobre crianças precoces.


À FLOR DA PELE
Thylane vem sendo chamada de a nova Brigitte Bardot
A modelo francesa Thylane Blondeau é a nova queridinha da moda. Loura, esguia e com hipnotizantes olhos azuis, ela estrela ensaios sensuais – leia-se, inclusive, fotos de topless – nas principais publicações de moda do mundo. Esse seria apenas mais um conto de fadas de uma top model se Thylane não tivesse apenas 10 anos. Filha de uma apresentadora de tevê e de um jogador de futebol, a garota nasceu sob os holofotes. Aos quatro anos, desfilou para Jean Paul Gaultier e, recentemente, foi a estrela de um encarte da Vogue francesa no qual aparece com maquiagem carregada. O ensaio dividiu opiniões e teria contribuído para a demissão da então diretora da publicação, a poderosa Carine Roitfeld.

Afinal, 10 anos não é cedo demais para fotos sensuais? Psicanalista do Hospital das Clínicas de São Paulo, Niraldo de Oliveira explica que atropelar a inocência típica da infância pode ser prejudicial, pois, dos 7 aos 12 anos de idade a sexualidade fica adormecida para que a criança possa se desenvolver intelectual e socialmente. “Isso significa que a menina cuja sexualidade é estimulada antes da hora pode chegar à vida adulta sem a maturidade necessária.”

Alguns entusiastas da moda alegam que a maldade está no olhar de quem vê, argumentando ser comum o topless de garotas francesas na praia. O problema, no entanto, estaria na sensualidade estampada nos olhares e nas poses. A consultora de moda Gloria Kalil pensa diferente. “Ninguém espera ver criancinhas só de vestidinhos balão”, escreveu ela no site “Chic”. “O esquisito é vê-las em atitudes de adultos insinuantes que despertam mal-estar.” Também consultora, Manu Carvalho acredita que o valor da moda está na possibilidade de romper preconceitos, mas que até na flexibilidade existe limites. “Prefiro ver crianças fantasiadas de princesas e super-heróis.”

O questionamento que eu faço para mim mesma é: será que eu estou exagerando? Será que não há nada demais e ter crianças que já são modelos, dessa forma, em tão tenra idade?