O Pai



Não sei se você já reparou, mas eu geralmente não comento a respeito de datas comemorativas, porque, a meu ver, fazer homenagens desse tipo aqui neste espaço é meio que chover no molhado, pois o que não faltam por aí são homenagens assim, virtuais ou não. 
 
Por outro lado, não sou a pessoa mais indicada para falar sobre a figura paterna, afinal, não conheci meu pai. Tive até um padrasto, mas isso foi há muito tempo, talvez na última era glacial. Portanto, a imagem masculina que eu tenho em mente é muito nebulosa, praticamente inexistente.

Às vezes minha impressão é que quem é pai não tem a menor ideia do quanto essa figura é importante no quadro mental que a criança tem na cabeça em se tratando de família.  Não que seja necessariamente um pai biológico, mas a presença e, principalmente, a "atuação" desse homem se torna uma marca profunda na vida de muita gente, para o bem ou para o mal.

Parece que muito homem tem uma certa dificuldade em se ver como pai na cabeça de sua criança talvez porque não tenha sido ele o "hospedeiro" e sim a mãe. É claro que hoje em dia, a atuação dos pais na criação dos filhos mudou radicalmente, e para melhor, e muitos desses homens se tornaram, até, mais mães do que pais - são os famosos pães! Por mais que a mulher crie seu filho sem um marido, ela não vai preencher esse espaço por completo.  Aliás, na minha percepção, cada espaço nesse "quadro familiar" é insubstituível. Pode até ser que o papel de um esteja sendo bem preenchido pelo outro, mas nunca é a mesma coisa. Não é mesmo. Por mais óbvio que seja, pai é pai; mãe é mãe, biológico ou não, para o bem ou para o mal. Simples assim.

A gente sabe muito bem que datas comemorativas como o Dia dos Pais, Dia das Mães, Dia das Crianças têm um apelo comercial muito grande. Mas isso não impede que muitas pessoas fiquem muxoxas se não forem lembradas nessas ocasiões.  Existem situações em que um abraço ou uma saudação não são suficientes - tente fazer isso com uma criança no dia 12 de Outubro ou com uma "namorada" no Dia dos Namorados! Mas acho válido dar alguma coisa, sim, nem que seja uma "besteirinha" qualquer, desde que haja condições para isso, claro.

No caso do Dia dos Pais, oh, my God, como é limitado o horizonte de presentes: gravatas, meias, perfumes, cintos, canecas ou camisas do time do coração, canetas, muitas canetas. Cuecas também. Esses são os básicos. No intermediário, haja celulares, lap-tops, relógios, aparelhos de barbear elétricos. E tem gente que até ganha TV, o que eu acho que não é um presente para a pessoa e sim para a casa, por mais que o controle remoto fique nas mãos DELES!

"Mas, Luciana, porque você está abordando o Dia dos Pais?" Porque é muito mais fácil se lembrar da nossa mãe, da nossa avó, ou seja, das figuras femininas, do que da figura masculina. Tanto é que existe o Dia da Avó, mas não existe o Dia do Avô, sabia? "E por que você, que não teve a experiência de conviver com uma figura paterna, está falando do Dia dos Pais?" Exatamente porque eu não tive, ué! Mas aí você também pode me dizer que existem pais que são o cão chupando manga verde com pimenta. Ok, mas também existem mães assim, talvez tão piores o mais!

Portanto, se você tem um pai, biológico ou de coração, e se valer a pena, claro, não deixe de homenageá-lo nessa data, nem que seja com um abraço, ou mesmo uma besteirinha,  uma caneta, um par de meias. Uma cueca, por que não? Não pense que, só porque ele é homem não vai ligar  para essas "besteiras". Liga sim. Só que ele não é tão chantagista dramático como são as mães.

Se você não tem um pai, bom, aí eu não sei. Mas se sua criança tem, e mesmo que ele não more com vocês, mas que seja uma presença boa e constante na vida dela, não deixe passar em branco. Apesar de não serem os "hospedeiros", muitos desses caras são, no fundo, boa gente.

O pai do Davi é muito boa praça. E o Davi é uma colação só com esse pai. No começo eu até ficava meio mexida, mas depois percebi  que a relação entre eles é uma, e comigo é outra. Viu como eu resolvida?

Hum...... mas peraí.... me lembrei de um detalhe: assim que Davi começou a balbuciar alguma coisa parecida com nomes, a primeira palavra identificável foi... "Tatai"!!! Adivinha o que isso significa?

Mas, tudo bem, quem foi a hospedeira fui eu! Humf! (Momento dramalhão materno)


 Errata: Os vovôs devem ter ficado meio chateados, mas a verdade é que se comemora o dia das vovós E dos vovôs! Viu como até eu vacilei???