Um Picolé

Cheguei há pouco da rua.  A temperatura deveria estar em torno de 35º, mas a sensação térmica é de uns 40.  Vim  procurando uma barraquinha que vendesse picolé e a coisa mais estranha é que picolé só se encontra onde você sabe onde tem, ou seja, num país cuja temperatura média é de 27º e numa cidade de litoral e tão famosa como é o Rio de Janeiro, encontrar picolé requer praticamente uma pesquisa de campo.  Porque não é em qualquer lugar ou em qualquer esquina que se encontra um carrinho ou uma barraca que venda picolés. Só onde você sabe exatamente que tem e olhe lá. Mas se você quiser comer pipoca, vai ser disputada a tapas por uns três pipoqueiros a cada metro quadrado da rua.

Como muita gente sabe, a Itália é uma espécie de parque de diversões em se tratando de sorvetes. Existem não somente sabores dos mais variados, mas u-ni-ver-si-da-des que formam mestres na arte do sorvete.  Na Itália tem sorvete com sabor de melão, por exemplo, mas se você quiser um sorvete desse mesmo sabor aqui no Rio de Janeiro, procure muito e vá se preparando para procurar muito mais, porque não é fácil de achar (aliás, existe???). O inverno na Itália é de neve, e acho que lá não tem pé de tamarindo.  Mas tem sorvete, talvez não de tamarindo, mas de melão. E muito picolé, de vários sabores. O ano inteiro!

Como muita gente sabe, o Brasil é uma terra abençoada com uma diversidade de frutas e plantas que a gente passa a vida inteira sem conhecer tudo.  Cada região desse país produz frutas que vão desde o tamarindo e o açaí até o mirtilo e a nectarina. Mas você já comeu cagaita? Eu não. É uma fruta típica do cerrado brasileiro. Uxi é uma fruta amazônica e biribá é do Pará (obrigada, deus google).  Pergunta se existe sorvete dessas frutas? Pode até existir, mas não aqui no "sul maravilha".  Aqui no Rio de Janeiro, se você quiser provar alguns sabores "exóticos", vá na Feira de São Cristóvão, também chamada de Centro Luiz Gonzaga de Tradições Nordestinas, ou simplesmente "Feira dos Paraíbas". Pelo que eu sei, só lá a gente consegue tomar sorvete  de alguns sabores diferentes e ainda assim são poucas as opções de frutas  "exóticas", acredita? E a fruta propriamente dita? Esqueça, é mais fácil ir lá onde ela está do que ela vir até você. Mas se vier, você vai pagar caro, muito caro. 

Como muita gente sabe, o Brasil tem um dos maiores litorais oceânicos do mundo, com mais de 8.000 km de extensão.  O que vem à mente quando a gente imagina esse monte de mar? Peixe! Uma variedade de peixes e frutos do mar, uma oferta gigante de peixe, uma peixaria em cada esquina. Um restaurante de peixes e frutos do mar disputando meu estômago. O moço do peixe batendo na porta lá de casa, com um carrinho cheio de peixes fresquinhos e toneladas de camarão (eu sou louca por camarão).

Até parece.... porque essa fartura de peixe você só vai encontrar no Nordeste e mais ainda no Norte.  Porque peixe aqui na minha terra é caro, na feira, no mercado, no restaurante.  Peixe é quase um "prato especial". Camarão, lula, polvo, mexilhão, só em algumas ocasiões.  Siri? Carangueijo? Ah, não é tão simples e barato assim, não. (Eu sei que siri e carangueijo não são frutos do mar, mas adoro).

Num país colorido como o nosso, a gente acha graça quando encontra aquele típico turista estrangeiro, de bermuda, blusão florido, chapéu e tênis com meia até quase o joelho. Mas se a gente mora num lugar tão cheio de cores, qual é o espanto? Dizem - e não me pergunte quem disse - que os brasileiros se vestem muito sobriamente - estou falando de cores, não de tamanho de roupa.  Isso se deve ao fato de que o país é muito quente e colorido e geralmente quem mora em lugar frio gosta de cores berrantes.  Mas a Índia e a África são lugares quentes e coloridos, e seus habitantes se vestem com muita cor também! Mas quando chega o verão por aqui, a maioria dos motoristas de ônibus está vestida de calça comprida e tem uns que até gravata usam! E os porteiros e carregadores de mala de hotel, que usam quepe e até luvas brancas, como se estivessem em algum país frio? Por que a hotelaria brasileira não coloca bermuda e blusão estampado nos seus funcionários?

É certo que cada lugar tem suas esquisitices, mas por aqui há coisas estranhas que eu não entendo mesmo.  Eu não queria um sorvete, só um picolé de frutas.  Andei um bocado até achar, mas me pergunto sempre, quando isso acontece: por que não temos um carrinho de picolés em cada lugar, principalmente nessa época medonha de calor insuportável?  Por que as lojas não vendem tantos vestidos estampados e fresquinhos? Por que o peixe é tão caro? Por que não existem praças com chafarizes onde as pessoas e crianças pudessem se banhar nesse calorão? Por que condução com ar condicionado ainda é artigo de luxo?

Por que não existe picolé de cagaita?